Ópera Amahl

Amahl foto Sylvia Masini (30)

da Folha Online

Galeria Olido recebe ópera infantil com tema de Natal; evento é grátis

Primeira ópera infantil bancada por uma emissora de TV, a norte-americana NBC, “Amahl e os Visitantes da Noite” será apresentada em duas datas na Galeria Olido (região central da cidade de São Paulo) –na terça-feira (8), às 18h30, e no dia 19, às 19h. O evento é gratuito.

Composta pelo italiano Gian Carlo Menotti, a peça de um único ato estreou na NBC em 24 de dezembro de 1951 e ganhou releituras, até os dias de hoje, pelo seu tema universal: o Natal.

O enredo se baseia no menino Amahl, que precisa de muletas para caminhar –ele vive na Judeia, justamente na época do nascimento de Jesus Cristo. Ao ver uma estrela que se move no céu, conta o fato à mãe incrédula, e, mais tarde, recebe a visita de ninguém menos que os três Reis Magos, que estão à procura do menino Jesus.

Os Reis Magos são recebidos calorosamente pela vizinhança, mas a mãe de Amahl não se contém e deseja o ouro que os visitantes trazem.

Informações sobre eventos gratuitos e populares podem ser consultadas no site Catraca Livre.

Ópera de Natal

Dênia Campos, soprano. Eloisa Baldin, mezzo-soprano. Paulo Queiroz, tenor. Sandro Bodilon, barítono. Carlos Eduardo Marcos e Eduardo Paniza, baixo. João Malatian, narrador e diretor cênico. Marizilda Hein, piano. Camerata da Orquestra Experimental de Repertório (OER). Juliano Suzuki, regente e diretor musical. Corpo de Baile e Coral da Escola Municipal de Bailado.

Evento Recomendado: 

Data e Hora:
Terça, 08 de Dezembro às 18:30.
Programa:
Menotti – Ópera natalina em um ato “Amahl e os visitantes da noite”.
Preço:
Grátis. Distribuição de ingressos uma hora antes do espetáculo.
Local:
Sala Olido
Endereço:
Av. São João, 473 – Centro. Tel.: (11) 3397-0171.

Amahl e os Visitantes da Noite

REVISTA CONCERTO

18h30 – Ópera Amahl e os visitantes da noite, de Menotti
Série Vesperal na Olido. Camerata da OER/OSM Corpo de Baile da Escola Municipal de Bailado. Regente: Juliano Suzuki. Solistas: Dênia Campos, Elise RoeseRosana Barakat – sopranos; Eloisa Baldin, Juliana ArdenghiRoseane Soares – mezzosopranos; Paulo QueirozMarcos Fernandes – tenores; Sandro BodilonEduardo Paniza – barítonos e Carlos Eduardo Marcos, Jonatas Andrade, Lucas BaldinRubem Lugli – baixos. Piano: Marizilda Hein. Direção cênica e narração: João Malatian. Entrada franca. Reapresentação dia 19 às 19h00.
Local: Sala Olido
Av. São João, 473 – Centro – Tel. 3397-0171 (300 lugares)

As Bodas de Fígaro GEO

GEO – Grupo Experimental de Ópera

Le Nozze di Figaro – Mozart/da Ponte“As Bodas de Fígaro”

No início deste ano de 2009 alguns alunos me pediram aulas de preparação para a ópera, aulas de teatro aplicado para cantores, estilos, fonética, interpretação e tantas outras coisas que um cantor de ópera precisa para pisar num palco. Assim nascia então o GEO – Grupo Experimental de Ópera. Aos poucos o grupo foi aumentando e jovens cantores brilhantes ingressaram no grupo. Com cantores capazes resolvi então montar uma ópera, porque no palco, cantando e representando, é sempre a melhor maneira de aprender. Para a nossa primeira ópera escolhi a esplêndida obra prima de W. A. Mozart, “As Bodas de Figaro”, obra esta que tem um grande elenco e que abrangia, em grande parte, os cantores do grupo. Não é uma obra fácil, nem simples, mas todos aceitaram os desafios de enfrentar esses grandes e inesquecíveis personagens da literatura e da ópera: Figaro, Suzanna, o Conde, a Condessa, Cherubino, Marcellina, Bartolo, Basílio, Antonio e Barbarina. Baseada na obra homônima de Pierre Augustin De Beaumarchais foi adaptada, com maestria, para a ópera pelo grande libretista de Mozart, Lorenzo da Ponte. Nesta obra, que foi um dos estopins da Revolução Francesa, foi também proibida pelo Imperador da Áustria, Joseph. Mesmo assim Mozart resolve transformar a obra em uma ópera que viria a ser uma de suas mais famosas e mais importantes óperas. A ação desenrola-se no Castelo do Conde de Almaviva, algures perto de Sevilha, no ano de 1785. Fígaro e Susanna, servos do Conde e da Condessa Almaviva, estão noivos e casam em breve. O Conde mantém um longo assédio a Susanna o que a faz duvidar que este venha a cumprir a sua promessa de abolir o tão odiado Direito do Senhor, que estabelecia a prerrogativa de se deitar com a serva antes de entregá-la ao futuro marido. Fígaro, juntamente com Suzanna, a Condessa e Cherubino, o pagem do Conde, planeja e coloca em ação um plano que vai desmoralizar o Conde e o obrigará a dar sua permissão para o casamento e, no final, o fará voltar á sua desprezada Condessa. Com a colaboração do cantor e artista plástico Miguel Geraldi, que fará a luz e os cenários da montagem, apresentaremos ao público uma redução dessa ópera, em formato “pocket”, transformando os recitativos cantados em textos falados em português, o que agilizará a ação e a compreensão do público. Ficha Técnica:Direção Musical, Cênica, Adaptação e Regência – Eloisa Baldin Ambientação e iluminação – Miguel Geraldi Piano- Talita Braga Nunes Cenários e Figurinos da “Central de Produção do Teatro Municipal de São Paulo “Chico Giacchieri” Elenco: Figaro – Marcos Fernandes Suzanna – Denise Yamaoka/ Jamile Evaristo Conde de Almaviva – Daniel Marchi Condessa – Marcia Malaquias Cherubino – Roseane Soares/Elisangela Lima Marcellina – Angela Calderazzo Bartolo – Alexandre Lopes Basílio – Luiz Guimarães Barbarina- Cintia Cunha/Mariana Cuencas Antonio – Jonatas Andrade

Notíciasonline clique aqui


As Bodas de Fígaro
Adaptação resumida da ópera de Wolfgang Amadeus Mozart.
Com o Grupo Experimental de Ópera. Direção cênica e musical, concepção e adaptação: Eloisa Baldin. Com Márcia Malaquias, Roseane Soares, Luiz Guimarães, Daniel Marchi e outros. Piano: Talita Braga.
Dia 24 de Novembro (terça)às 18h30
Galeria Olido – Sala Olido
Av. São João, 473 (Próximo das estações República e Anhangabaú) (Centro)
Tel: (11) 3334-0001 – ramal 1941
Ingressos: Grátis
Convide seus amigos a assistir este espetáculo, ou recomende que o assistam.
Quero ser avisado(a) quando Mozart seja mencionado no Guia Cultural Sampa Online.

Coral Lírico de SP celebra 70 anos

Coral Lírico de SP celebra 70 anos

Publicada em 12/06/2009 revista VIVA MÚSICA!

O Coral Lírico  completa 70 anos de atividades.

Para comemorar a data, o conjunto apresenta quatro récitas no Municipal de São Paulo, a partir de 13 de junho.

“Estes espetáculos irão transparecer o nosso intenso trabalho técnico e artístico. Além disso, os espectadores poderão apreciar, além das óperas e concertos líricos sinfônicos, experimentações que temos feito com canções populares brasileiras e americanas e música de cinema”, conta o maestro titular do Coral, Mário Záccaro.

A série de concertos terá ainda uma apresentação especial, no dia 16, dedicada a deficientes auditivos, com interpretação simultânea por meio da Linguagem Brasileira de Sinais (LIBRAS).

Uma exposição de fotos e figurinos utilizado em sete décadas de atividades estará montada no terceiro andar do Municipal.

O grande representante da ópera em São Paulo

Foi em um 13 de junho, há 70 anos, a primeira apresentação do Coral Lírico. O conjunto participou da montagem da ópera “Turandot”, de Puccini.

Em 1939, o Coral Lírico foi criado sob direção do maestro Fidélio Finzi e coordenação de Armando Belardi, então diretor artístico do Teatro Municipal de São Paulo. Naquele ano, o conjunto participou de 12 óperas.

Ao longo das décadas, o grupo já esteve sob a direção de grandes maestros, como Sisto Mechetti, seu filho Marcelo Mechetti, seu neto Fabio Mechetti e Oswaldo Colarusso. Entre os regentes convidados, Tullio Serafin, Eleazar de Carvalho, Francisco Mignone, Ira Levin, Isaac Karabtchevsky, Eugene Kohn, John Neschling e Roberto Duarte.

Regente titular do Coral, desde 1994, Mario Valério Záccaro teve sua primeira passagem pelo grupo entre os anos de 1985 e 1987.

“O Coral Lírico é um grupo de notória representatividade em função de sua tradição. É o grande representante do estilo operístico na cidade de São Paulo”.

O grupo participa de montagens de óperas e concertos corais sinfônicos.

Integrante do conjunto há quase 20 anos, a soprano Jacy Guarany, que também é presidente da Associação dos Cantores e Solistas do Coral Municipal de São Paulo relembra um dos muuitos fatos marcantes da longa trajetória.

“Um episódio que não esqueço foi o concerto de re-inauguração do Teatro Municipal de São Paulo, no início dos anos noventa. Lembro que a energia era muito positiva”, conta Jacy Guarany.

O Coral Lírico também participou de um evento-chave da história recente de São Paulo. No dia 9 de julho de 1999, o conjunto participou da “Sinfonia N. 2” (Ressureição), de Gustav Mahler, na inauguração da Sala São Paulo, com a Osesp regida por John Neschling.

Entre os vários prêmios que o Coral Lírico recebeu, destacam-se o prêmio APCA (1996), como Melhor Conjunto Coral e o Prêmio Carlos Gomes (1997), na categoria ópera.

Futuro em pauta

Tendo em vista o término das obras do Teatro Municipal de São Paulo, o maestro Mario Záccaro quer retomar o ritmo de programação.

“Queremos continuar fazendo de seis a oito óperas por ano. Nos planos futuros, estão também a renovação de nosso repertório lírico sinfônico com obras ainda não realizadas”, adianta Záccaro.

“Nossa dinâmica de ensaios e apresentações têm sido bem puxada. Ano passado, chegamos a ensaiar quatro óperas ao mesmo tempo. É tudo muito corrido e desafiador, mas vale pena”, finaliza.

Serviço

Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo. Coral Lírico do Teatro Municipal de São Paulo.
Datas: 13, 16, 18 e 21 de Junho.
Horários: 20h30 (nos dias 13, 16 e 18) e 16h30 (no dia 21).
Local: Teatro Municipal de São Paulo. Pça. Ramos de Azevedo, s/n – Centro. São Paulo (SP) – 01037010.
Tel: (11) 3223-3022
R$ 10, R$ 15 e R$ 20.
Programa: Villa-Lobos (Prelúdio, das Bachianas Brasileiras N. 4); Pixinguinha/ João de Barro (Carinhoso); Tom Jobim (Luiza); G. Gershwin/ Ira Gershwin (I Got Rythm); M. Valle (Viola Enluarada*); M. Zaccaro (Momento, para piano e orquestra*); Edu Lobo (Beatriz); L. Bernstein/ S. Sondheim (Somewhere*); R. Rodgers/ O. Hammerstein (Climb Every Mountain).

*Érica Hindrikson, regência

Carlos Gomes (Alvorada, da ópera Lo Schiavo); Verdi (Excertos das óperas Otello e Macbeth); Wagner (Beglückt darf nun dich, o Heimath, da ópera Tannhauser); P. Mascagni (Intermezzo, da ópera Cavalleria Rusticana e Son io, son io la vita, da ópera Iris); Puccini (Gira la cote…Perchè tarda la luna, da ópera Turandot).

Regência, Direção Musical e Arranjos – Mário Zaccaro
Maestrina Assistente – Érica Hindrikson
Pianistas ensaiadores – Marizilda Hein e Marcos Aragoni
Direção cênica e concepção – Eloisa Baldin
Assistente de direção – Rosana Barakat
Direção de Arte e iluminação – Miguel Geraldi
Efeitos sonoros – Marcelo Baldin (combustion)

FOTOS DO ESPETÁCULO – http://www.flickr.com/photos/elobaldin/sets/72157620651285699/with/3676565833/

Lírico 70 Anos

Publicado na REVISTA CONCERTO

Coral Lírico do Teatro Municipal comemora 70 anos (13/6/2009)

Com a participação da Orquestra Sinfônica Municipal, o Coral Lírico do Teatro Municipal de São Paulo comemora 70 anos com récitas especiais nos dias 13, 16 e 18 de junho, sob o título de “Lírico, 70 anos”. O maestro Mario Zaccaro, diretor do grupo, é o responsável pela regência e arranjos. Eloisa Baldin responde pela direção cênica e Miguel Geraldi pela direção de arte. Um dos mais tradicionais corpos estáveis do Teatro Municipal de São Paulo, o Coral Lírico foi criado em 1939, quando o maestro Armando Belardi era diretor artístico da casa, para servir ao grande repertório operístico e lírico-sinfônico. O primeiro diretor do Lírico foi o maestro Fidélio Finzi, que preparou o grupo para sua estreia em 13 de junho de 1939, na óperaTurandot, que era apresentada pela primeira vez em São Paulo. Após Finzi, assumiu a direção do grupo o maestro Sisto Mechetti e, posteriormente, seu filho – Marcello Mechetti – e seu neto, o maestro Fabio Mechetti, hoje titular da Filarmônica de Minas Gerais. Osvaldo Colarusso também dirigiu o grupo entre 1980 e 85. Em 1994 o maestro Mário Zaccaro assumiu a direção do Coral. Desde então o grupo vem desenvolvendo outra vertente de trabalho, dedicada à MPB e ao jazz. E esta versatilidade poderá ser conferida pelo público que for assistir a “Lírico, 70 anos”. Trata-se de um espetáculo encenado, “como se fosse uma ópera”, adianta Zaccaro. A primeira parte terá canções como Carinhoso, de Pixinguinha, Luiza, de Tom Jobim, ou Somewhere, de Leonard Bernstein, além de obras do próprio Zaccaro. Já a segunda parte será dedicada ao repertório sinfônico e operístico, incluindo coros de Otello (Verdi) eTannhäuser (Wagner), entre outros. “Dessa forma, daremos ao público uma mostra completa de nossas frentes de atuação”, afirma Zaccaro

Coral Lírico 70 Anos

Coral Lírico inicia comemorações dos 70 anos

Maestro Mário Zaccaro elegeu peças de Brahms, Verdi e Puccini para iniciar as celebrações em torno dos 70 anos de existência do Coral Lírico do Teatro Municipal de São Paulo.

As alegres valsas de amor que Johannes Brahms compôs inspirado em poemas do folclore do leste europeu, somadas a um festival de coros de óperas famosas. É esse o programa que o maestro Mário Zaccaro, regente do Coral, escolheu para ser apresentado, dia 22, às 11 horas, na Sala Olido, dando início às comemorações dos 70 anos de criação do Coral Lírico do Teatro Municipal de São Paulo.

A composição de Brahms, Novas valsas de amor (Neue Liebeslieder opus 65), para coro misto e piano a quatro mãos, recebeu um tratamento especial, com direção geral da cantora lírica Eloísa Baldin, narração de Roberto Fabel e participações, ao piano, de Marizilda Hein e Marcos Aragoni.

Na segunda parte do programa, são interpretadas obras para coral presentes em óperas como Otello, de Verdi; Turandot, de Puccini; Tannhäuser, de Wagner; e Cavalleria rusticana, de Mascagni.

Programação Sala Olido

O Teatro Municipal de S ão Paulo permane cerá fecha do ao público até o dia 2 de maio de 2009, em virtude das obras de rest auro em sua Ala No bre. Durante o per íodo que o Teatr o estiver fechado, serão apresentados concertos na Sala Olido, na Ga leria Olido Av. São João, 473.
MARÇO Dia 22 de Março às 11h00 Coral Lírico Mário Zaccaro, reg ente
Marizilda Hein e Marcos Aragoni, piano Roberto Fabel, narração Eloisa Baldin, direçã o geral

Parte I

Cartas de paixão, amor e lágrimas

J. Brahms – Novas Valsas de Amor, Op.65 (Para coro m isto e piano a quarto mãos)

Parte II

Coral – O Espetáculo na Ópera

P. Mascagni – “Gli aranci olezzano”R. Wagner – “Coro do s Peregrinos “ “Freudig begrüssen “G. Verdi – “Ratapla n” ( solista, Silvia Tessuto, meio-soprano)“Fuoco di Gioia” G. Bizet – “Votre Tost” (solista, Luis Orefice, barítono) G. Puccini – “Perchè tarda la luna”P. Mascagni – “Inno al Sole”Entrada Franca

Galeria Olido – Sala Olido Avenida São João, 473 Centro. Telefone para informações: 3397-0170.

Dia 22/03, às 11h. Grátis